Notícias

Gerais

15/10: Dia do professor e de luta pela Educação, contra o retorno escolar e a Reforma Administrativa

Crédito: Filipe Araujo

 

Nesta quinta-feira (15) é celebrado o dia do(a) professor(a). Nesta data serão realizadas atividades como parte da luta em defesa da Educação. Estão previstas atividades no Rio de Janeiro (RJ), Natal (RN), Recife (PE), Porto Alegre (RS) entre outras regiões por direitos, contra o retorno escolar e a reforma administrativa.

 

 

 

A CSP-Conlutas está com uma campanha permanente contra a volta às aulas presenciais em meio a pandemia. Em regiões em que o retorno aconteceu, como em Manaus, houve aumento de número de contaminados. Em Belém (PA), ocorreu o mesmo em escolas particulares, como é o caso do colégio Marista, em que alunos testaram positivo para Covid-19. Na rede estadual, após muita pressão da comunidade escolar, o retorno foi adiado para novembro e novas mobilizações irão acontecer.

 

Por isso, neste dia 15 é preciso reforçar a campanha da Central “Escolas Fechadas, Vidas Preservadas. Volta às aulas presenciais, só depois da pandemia”.

 

Vamos alertar familiares, estudantes, comunidade acadêmica e toda a população sobre a importância de defender a Educação e os educadores – que estão sendo pressionados para o retorno escolar, mesmo sem a vacina e curva elevada da doença de Covid-19 no país.

 

Existe uma política de minimizar a pandemia, apontando uma suposta melhora nos níveis de contaminação e mortes pela doença. No entanto, a curva de casos e óbitos é muito alta, os governos não fazem testagem em massa, têm flexibilizado a quarentena e agora querem impor a reabertura das escolas.

 

De acordo com último Censo Escolar, as escolas públicas têm 37,8 milhões de alunos matriculados no ensino fundamental e médio, além dos mais 2,5 milhões de professores que lecionam no país.  Pessoas que estarão circulando e sendo expostas ao risco de contaminação e de levar a doença para seus familiares.

 

As Secretarias de Educação estão dizendo que vão garantir protocolos de segurança para combater a pandemia. No entanto, mesmo antes da pandemia, as escolas já refletiam uma brutal precariedade, com falta de produtos básicos de higiene e com salas de aulas superlotadas.

 

Os governos querem a reabertura das escolas porque lucram com isso. O que está em jogo é o interesse mercadológico, junto aos tubarões do ensino. Há ainda um processo de privatização, através de parcerias público-privadas, com o objetivo de transferir as aulas online para empresas de educação especializadas neste tipo de serviço.

 

Outro interesse no retorno das aulas é para beneficiar os patrões que querem liberar a mão de obra, principalmente das mulheres, que durante a pandemia são as responsáveis pelo cuidado dos idosos e crianças, ou seja, tem o objetivo de ampliar a exploração, quando deveriam garantir a quarentena geral para todos.

 

O dia 15 de outubro servirá para colocar luz a todas essas denúncias e exigir segurança e proteção à vida, como parte da defesa da Educação. Reforçar que a categoria é uma das mais desvalorizadas no país, e que ser professor é mais do que vocação é um trabalho que merece o respeito dos governos.

 

Para dar um exemplo de como a categoria ainda é precarizada, de acordo com o MEC (Ministério da Educação), em 2020, o salário dos profissionais da rede pública da educação básica em início de carreira é de R$ 2.886,24. Isso em um país que não cumpre a Lei do Piso para esse segmento, e que em diversas regiões ganham abaixo disso.

 

Se não há garantia do básico, que é cumprir a lei, como o governo vai garantir a segurança desses mesmos profissionais com a volta às aulas presenciais? Os protocolos de segurança das Secretarias de Educação são prometidos na teoria, sem considerar que as escolas, na prática, antes da pandemia, já não tinham infraestrutura adequada de higiene, requisito básico para a não proliferação do vírus.

 

Vamos também nos mobilizar contra a reforma administrativa, que atingirá em cheio os professores e as professoras. Isso porque a medida prejudica o acesso e a qualidade de diversos serviços públicos, entre eles a Educação, ao facilitar a entrega desses bens para a iniciativa privada, o que pode levar a demissões em massa e o rebaixamento de direitos de professores e funcionários de escolas.

 

É preciso debater as ferramentas de luta construída pela classe trabalhadora, para defender a vida e apontar a resistência contra os governos, com os educadores na linha de frente. Vamos nos mobilizar com indicativo de greves e paralisações e radicalizar as ações contra os governos que querem impor o retorno escolar. Vamos à luta em defesa da vida. Escolas fechadas, vidas preservadas!

 

A CSP-Conlutas faz um chamado às demais Centrais Sindicais a se incorporarem a essa data de Luta e fortalecer a mobilização contra o retorno escolar e a Reforma Administrativa.

 

Fonte: CSP-Conlutas

Veja ainda

  • Fenajufe consegue, no CSJT, exclusão de planos de saúde da margem consignável dos(as) servidores(as)

  • Plenária Nacional do Fonasefe neste sábado (24) reforça defesa do serviço público e das estatais

  • Justiça do Trabalho: Abertas as inscrições para Seminário sobre Direito Digital e Inteligência Artificial

  • Estabilidade de servidores divide líderes, mostra Painel do Poder