Notícias

Nossas Lutas

Frente Parlamentar quer servidores atuais e do Judiciário na reforma administrativa

Por Lauriberto Pompeu Em 08 out, 2020 - 16:32 Última Atualização 08 out, 2020 - 18:54

Legislativo

 

Esplanada dos Ministérios

Arquivo/Agência Brasil

A Frente Parlamentar pela Reforma Administrativa vai fazer nesta quinta-feira (8) um evento para divulgar propostas de alteração nas carreiras do serviço público. Entre as sugestões há mudanças na proposta de emenda à Constituição (PEC 32/2020), a reforma administrativa enviada pelo governo.

Leia a íntegra dos temas que a Frente Parlamentar defende. As sugestões serão entregues, no ato de apresentação, ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O grupo é presidido pelo deputado Tiago Mitraud (Novo-MG) e tem como vice-presidentes os senadores Antonio Anastasia (PSD-MG) e Kátia Abreu (PP-TO).

Entre as principais trechos da PEC do governo estão o fim da estabilidade para os futuros servidores públicos que não são considerados das carreiras típicas de Estado, ou seja, que não têm correspondência no setor privado. As Forças Armadas, congressistas, juízes, procuradores e promotores não estão incluídos na reforma.

Os deputados e senadores querem que os atuais servidores sejam incluídos nas mudanças da PEC enviada pelo governo. O texto original do Poder Executivo apenas diz respeito aos servidores contratados após a vigência da mudança constitucional. Os congressistas também querem incluir membros do Poder Judiciário e políticos do Legislativo nas mudanças.

Outra alteração desejada pelo grupo é que o vínculo de experiência proposto na PEC não exista e que não haja a necessidade de classificação por desempenho como critério para efetivação no cargo. Essa classificação seria uma etapa após a aprovação no concurso público e antes do candidato assumir efetivamente a vaga e ter a estabilidade.

> Reforma administrativa acaba com a estabilidade de parte dos servidores; veja íntegra

> Kátia Abreu elogia reforma administrativa, mas chama de “aberração” excluir órgãos

A ideia da reforma proposta pelo governo é que o estágio probatório, período de três anos que o servidor precisa passar até assumir efetivamente o cargo, seja substituído pelo vínculo de experiência. Na prática, quase todos são aprovados no estágio probatório e hoje o servidor conquista a estabilidade logo após a aprovação no concurso público. O governo deixou claro que a aprovação no concurso não será mais garantia de estabilidade. Os critérios de aprovação no vínculo de experiência serão definidos pelo órgão aplicador do preenchimento da vaga.

Outro trecho da reforma que também é alvo dos congressistas e que há pedido para a retirada é o que dá poder para a Presidência de extinguir órgãos sem aval do Poder Legislativo.

Veja ainda

  • Fenajufe consegue, no CSJT, exclusão de planos de saúde da margem consignável dos(as) servidores(as)

  • Plenária Nacional do Fonasefe neste sábado (24) reforça defesa do serviço público e das estatais

  • Justiça do Trabalho: Abertas as inscrições para Seminário sobre Direito Digital e Inteligência Artificial

  • Estabilidade de servidores divide líderes, mostra Painel do Poder