Notícias

Nossas Lutas

O fim do racismo nos EUA acontecerá quando acabar o capitalismo, diz jornalista

Os Estados Unidos só poderão se livrar do racismo se acabar com o sistema que o apoia, que é o capitalismo, alertou o jornalista e ativista afro-americano Mel Reeves

19 de junho de 2020, 06:06 h

Manifestação contra assassinato do povo negro nos EUA

Manifestação contra assassinato do povo negro nos EUA (Foto: REUTERS/Eric Miller)

247 - Em entrevista exclusiva à Prensa Latina, Mel Reeves, editor do jornal Minnesota Spokesman-Recorder (MSR), que em 10 de agosto faz 86 anos, fez uma avaliação geral da cena política em seu país, especialmente o movimento de protesto para após o assassinato da polícia de George Floyd em 25 de maio.

Talvez desde a Guerra do Vietnã não tenha havido um movimento popular nas ruas como este, disse o jornalista, autor do blog Fight The Power Journal.

Residente em Minneapolis, onde os protestos eclodiram, Reeves disse que, ao contrário do Movimento dos Direitos Civis na década de 1960, cuja luta contra a violência policial envolvia apenas o Sul, envolve todo o país, inclusive internacionalmente.

'Isso é diferente', disse ele, 'muitos brancos, especialmente jovens, estão saindo às ruas nas grandes cidades e também em pequenas cidades e subúrbios onde a população predominante não é afro-americana.

Mais de mil cidades nos Estados Unidos relataram mobilizações nas últimas semanas contra o assassinato de Floyd, é um evento sem precedentes, insistiu.

As ruas exigem o fim do sistema policial, mas o imperialismo dos EUA nunca dissolverá voluntariamente sua força policial, acrescentou Reeves.

A uma pergunta sobre a extensão dos protestos atuais, Reeves respondeu que os manifestantes não apenas se mobilizaram contra o racismo, mas que, embora não articulem tudo o que desejam, mostram que os americanos "estão cansados de tudo isso, principalmente do sistema policial".

A mídia está começando a falar sobre racismo e Hollywood concordou em parar de exibir o conhecido filme 'Gone with the Wind', em um esforço para manter a classe trabalhadora pensando que, se ele se livrar do racismo, tudo está bem, enfatizou.

No entanto, não há como se livrar do racismo sem se livrar do sistema que o suporta e que exige seu uso, que é o capitalismo, alertou Reeves, que há mais de 30 anos luta contra todo tipo de injustiça.

Ele alertou que os Estados Unidos nunca deixaram de viver em crise e agora "estamos em recessão e a inflação está chegando".

Quanto às eleições de 3 de novembro, ele comentou que no capitalismo eles estão lutando para convencer as pessoas com os mesmos truques.

"As eleições não são importantes para a maioria das pessoas, pois há pouca diferença entre candidatos conservadores e liberais e a maioria sabe disso", disse Reeves.

Os democratas tentam assustar o eleitorado, de modo que Trump é ruim para o lado dele, mas Joseph Biden não oferece nada além de votar nele, disse ele.

Mel enfatizou sua rejeição de todas as guerras injustas em seu país, do uso letal de drones, da infâmia representada pelo desaparecido sistema de apartheid na África do Sul, semelhante ao de Israel contra os palestinos. E condenou o bloqueio estadunidense a Cuba.

BRASIL 247

Veja ainda

  • Medida sobre redução de jornada e salário na pandemia é sancionada

  • Governo diz que anunciará quatro grandes privatizações nos próximos três meses

  • Guedes anuncia a volta da CPMF (com outro nome) e o imposto sobre dividendos nas empresas

  • Mulher que atacou fiscal da Saúde no Rio é demitida de empresa